.

.
“Gay não é sinônimo de homossexualidade masculina. É apenas um movimento equivocado, que se acha porta voz de todos os homens que fazem sexo entre si.” Fraterno Viril.

ADOLF BRAND / DER EIGENE - MÄNNERBUND / WANDERVOGEL

Adolf Brand - 1930 e séc. XIX

ADOLF BRAND (1874-1945)
Editor, jornalista, fotógrafo, poeta, polemista, ativista, anarquista, enfant terrible ... foi o reconhecido líder de uma facção do movimento de emancipação homossexual em Berlim (início do século XX). Suas opiniões culturais foram expressas em sua revista Der Eigene (1896-1932), a primeira publicação homossexual literária e artística. Fazia oposição à facção mais conhecida, dirigida por Magnus Hirschfeld. Brand e os seus seguidores opuseram ao modelo médico utilizado para descrever as relações do mesmo sexo e a abordagem científica dos sexólogos.

Max Miede - 1927

Biografia
Adolf Brand nasceu em Berlim, aos 14 de novembro de 1874. Era filho do mestre vidraceiro Franz Brand e sua esposa Auguste, que também tiveram outro filho e uma filha.
Após uma breve carreira como professor, funda uma editora. Em 1896, ele começou a publicar Der Eigene, uma revista literária e artística dedicada à "cultura masculina". Esta primeira revista homossexual se tornou porta voz de uma facção do movimento alemão de homossexuais que se opôs à facção dominante liderada por Magnus Hirschfeld. Branda atacava os sexólogos pela imposição de um modelo médico sobre a homossexualidade, declarando que estas pesquisas "tiravam toda a beleza do erotismo".
Em 1903, fundou a organização Gemeinschaft der Eigenen para apoiar suas atividades políticas e publicações.
O impetuoso e militante Brand, muitas vezes se envolveu em brigas e escândalos públicos. Foi freqüentemente perseguido não só por causa de suas publicações e ilustrações homoeróticas, mas também pelo seu comportamento explosivo.
Em 1899, ele atacou publicamente com um chicote um membro do parlamento alemão, de cujas opiniões não concordava e ele foi condenado a um ano de prisão. Em 1907, ele esteve envolvido no escândalo sensacionalista Harden-Eulenberg, em que dois conselheiros do Imperador Guilherme II foram acusados de homossexualidade. Na esteira desse escândalo, Brand, um dos primeiros defensores do outing, publicou um panfleto em que acusou o Príncipe Bernhard von Bülow de ter um relacionamento homossexual com Conselheiro Max Scheefer. Em resposta, Bülow processou Brand por difamação. Foi condenado e sentenciado a 18 meses de prisão.
Durante a I Guerra Mundial, Brand serviu por dois anos no exército alemão. Provavelmente foi nessa época que ele se casou com Elise Behrendt, uma enfermeira que o amava e aceitou sua inclinação homossexual.
Talvez vários companheiros do sexo masculino de Brand tenham posado nus para as fotos que ele apresentou em sua revista, mas apenas um se sabe ao certo: Max Miede, que viveu por um tempo com Brand e sua esposa.
Durante A República de Weimar, a circulação de Der Eigene foi superada por outras publicações homossexuais, e Brand parecia desiludido com as perspectivas de descriminalização das relações sexuais de mesmo sexo.
O ativismo de Brand chegou ao fim em 1933, com a ascensão dos nazistas ao poder. A Der Eigene foi silenciada, e tropas de choque invadiram a casa de Brand diversas vezes, confiscando seus livros, fotografias e cópias restantes de sua revista.
Em 29 de novembro de 1933, ele escreveu para a Sociedade de Sexologia em Londres, queixando-se destes ataques: "Fui saqueado. Não tenho mais nada para vender e estou financeiramente arruinado. Não sei mais como, eu e Elise, continuaremos a viver. Todo o trabalho de minha vida agora foi destruído. A maioria dos meus seguidores não tem sequer a coragem de me escrever uma carta, para mencionar o apoio ao meu trabalho ou com qualquer tipo de pagamento. Minha perda através dos confiscos e proibições é de cerca de 10.000 marcos".
Embora ele não tenha sido preso pelos nazistas, foi arruinado financeiramente e seu espírito foi definhando. Como resultado de suas dificuldades financeiras, vendeu seu apartamento para Max Miede e viveu com sua esposa em apenas um dos cômodos. Eles provavelmente teriam sobrevivido a Segunda Guerra Mundial, se uma bomba dos Aliados não tivessem destruído o prédio onde eles moravam. Foram mortos em 02 de fevereiro de 1945.
Brand aparentemente tentou preservar alguns de seus documentos pessoais, enterrando-os em um jardim, mas esse legado parece não ter sido recuperado.

Der Eigene - 1899 - 1906 - 1919 - 1920 - 1924
 
Der Eigene
Em 1896, Der Eigene começou como uma revista anarquista refletindo as idéias do filósofo Max Stirner. Mas, tornou-se abertamente homossexual de 1898 até seu término em 1932. Embora sofresse várias interrupções, devido principalmente às intervenções da polícia, a revista está entre as publicações mais significativas do início do movimento dos direitos homossexuais alemães.
O título da revista exige explicação, pois a palavra alemã eigen é ambígua. Mas na tradução inglesa (1907) do livro de Stirner: Der Einzige und sein Eigentum (1844), Steven T. Byington nota que Stirner usa a palavra eigen de uma forma não usual. Traduziu eigenheit como "individualidade", uma frase que capta a natureza individualista da filosofia de Stirner.
Na primeira edição do Der Eigene (1º abril 1896), Brand declarou: "Esta revista é dedicada às pessoas orgulhosas de sua eigenheit e desejam mantê-la a qualquer preço”. Ele entendeu estas palavras no sentido de Stirner de individualidade e confirmou (1920) quando escreveu: "Quem sempre lê atentamente os artigos principais da revista, há muito sabe que Der Eigene tem como base o anarquismo individualista. Que por isso a ideologia de Max Stirner e Friedrich Nietzsche é o grande programa de trabalho do futuro. Para Der Eigene, ela representa o direito de liberdade pessoal e de soberania do indivíduo, e suas conseqüências futuras”.
Sendo uma publicação homossexual, Der Eigene tinha dificuldades constantes com a censura. Em 1903, um promotor acusou um poema intitulado Amizade de ser obsceno. Quando foi apontado no julgamento que o poema fora escrito pelo clássico autor Friedrich von Schiller, o tribunal concluiu: "É evidente que Schiller não quis, neste poema, descrever um amor homossexual. Mas o leitor da revista reconhece imediatamente que o poema é de Schiller, tendo o nome do autor impresso sob ele. Um mal-entendido do poema por parte do leitor é, portanto, excluído desde o início. Aparentemente, nosso Schiller não poderia ter escrito nada de indecente”.
Durante o período do Império alemão, Der Eigene foi o único órgão da imprensa que publicou o que poderia ser chamado de "literatura gay". Mais tarde, durante a República de Weimar e após a Primeira Guerra Mundial, houve especialmente em Berlim outros concorrentes com circulações maiores.

Gemeinschaft der Eigenen
Em parte por causa de ameaças constantes de que a revista seria confiscada ou acusada de obscenidade, Brand fundou (1903) a organização Gemeinschaft der Eigenen, espécie de círculo fechado de leitores. Esperava-se poder argumentar que a revista fora publicada por um grupo particular, então seria isenta de censura.
Era uma tentativa de contornar a censura do Der Eigene, estabelecendo na verdade um círculo literário e intelectual de um grupo político.
No entanto, ele funcionou para oferecer um ponto de vista oposto ao de Komitee Hirschfeld Wissenschaftlich-Humanitäres de Magnus Hirschfeld, que era o grupo dominante defendendo direitos GLBT no momento.
Esta manobra não foi bem sucedida inicialmente. Mas em 1905, com o testemunho na Corte de alguns peritos amigável, Der Eigene foi oficialmente reconhecido como um "diário artístico" e depois tornou-se um pouco menos vulneráveis ao assédio dos censores.

 Kurt Hiller - Sascha Schneider - Wilhelm Von Gloeden

Erich Mühsam - John Henry MacKay - Hugo Höppener

Contribuíram para Der Eigene
Entre autores conhecidos publicados em Der Eigene estão Erich Mühsam, Kurt Hiller, e John Henry MacKay (sob o pseudônimo de Sagitta). Além disso, os gigantes da literatura mundial, apropriados pelo movimento gay, também foram representados: Michelangelo, Shakespeare, Walt Whitman, Hans Christian Andersen, August Von Platen, e muitos outros.
Outros conhecidos artistas: o fotógrafo Wilhelm Von Gloeden e o ilustrador Fidus (pseudônimo de Hugo Höppener, 1868-1948), cujo trabalho Lichtgebet, se tornou um ícone da Lebensreform Bewegung - um grupo que promoveu a realização de uma vida mais saudável pela reforma urbana, dietas naturais, exercícios ao ar livre e nudismo. Seus desenhos apareceram em Der Eigene já em 1898 e foram incluídos na acusação pelo promotor estadual de obscenidade em 1903. 
Sascha Schneider, que ilustrou os livros de Karl May, um dos autores mais populares da Alemanha de todos os tempos, também contribuiu para Der Eigene.

Magnus Hirschfeld

Oposição a Magnus Hirschfeld
Brand foi, por si só, bem representado em sua publicação - como editor, poeta, fotógrafo, polemista e ativista - e sempre impaciente com o progresso de sua causa. 
Já Magnus Hirschfeld, chefe do Wissenschaftlich-Humanitäre Komitee (fundada por ele e outros em Berlim, em 1897) e editor da revista Jahrbuch Für Sexuelle Zwischenstufen (1899-1923), foi o líder reconhecido do dominante movimento homossexual de libertação no início do século XX.
Em seguida, Brand com o Der Eigene e apoiado pelo Gemeinschaft der Eigenen, foi o líder do segundo movimento de libertação homossexual. Com ele, foram reunidos aqueles cuja inclinação era homossexual (ou pelo menos homo-social) e que desejavam uma mudança nas atitudes sociais, mas eram contra os pontos de vista Hirschfeld.
Uma figura importante nesse movimento, por exemplo, foi o intelectual Benedict Friedlaender (1866-1908). Seu tratado acadêmico Renaissance des Eros Uranios (1904) argumentava que a amizade com pessoas do mesmo sexo "forma uma unidade normal e fundamental na humanidade", e teve um grande impacto sobre os membros do Gemeinschaft der Eigenen.
Friedlaender era contra a designação de Hirschfeld sobre uma categoria homossexual e uma identificação da homossexualidade com a feminilidade. Como a maioria dos partidários do Der Eigene, Friedlaender ansiava por um retorno ao ideal grego, incluindo o reconhecimento das vantagens educacionais e culturais de amizades entre as gerações, bem como a rejeição de qualquer papel de liderança para as mulheres na sociedade. Inicialmente Friedlaender apoiava Hirschfeld, mas rompeu com ele em 1906.
O escritor escocês-alemão John Henry MacKay pode ser tomado como o representante da ala dos “amantes de garotos” jogado neste movimento, embora ele nunca tenha sido membro do Gemeinschaft der Eigenen. Seu primeiro poema apareceu em Der Eigene em 1905. Contrariamente às alegações mais tarde, nenhum dos membros deste grupo apoiava atos sexuais com meninos pré-adolescentes; Mackay era atraído por meninos de 14 a 17 anos de idade. Fiel a seus princípios anarquistas, Mackay rejeitou a idéia de que a liberdade era só para homens. Ele acreditava que todas as pessoas, homens e mulheres, deviam ser julgados como indivíduos.
Benedict Friedlaender


Wissenschaftlich-Humanitäre Komitee: Georg Plock, Ernst Burchard, Magnus Hirschfeld, Barão von Teschenberg
Rejeição ao modelo médico
Acima de tudo, os membros deste movimento rejeitaram a medicalização da homossexualidade. Um processo que eles viam continuado por Hirschfeld, ele mesmo um médico, em sua insistência de que a homossexualidade era inata e que os homossexuais representavam uma minoria biológica para ser distinguido do normal dos homens.
Como Harry Oosterhuis observou: "A maioria dos autores de Der Eigene foram de opinião que os seus sentimentos e experiências não poderia ser entendida em categorias científicas e sim pela arte e literatura, melhores meios de expressão". O amor de um homem com outro era para eles, não uma questão de biologia, mas da cultura.
Eles rejeitaram qualquer idéia de que aquele que amava seu amigo (e amigo-amante foi um termo comumente usado por eles em oposição ao homossexual) fora de alguma forma não saudável ou degenerada. Havia também um elemento neste grupo que via o amor de machos como superior ao masculino-feminino, uma atitude que reflete uma linhagem de misoginia.

Lebensreform Bewegung

Nudismo e Nacionalismo
Não surpreendentemente, muitos membros deste grupo apoiaram o movimento emergente de nudismo, especialmente sua glorificação de saúde e força. As ilustrações de muitos nus em Der Eigene geralmente enfatizam a saúde do corpo nu ao invés de qualquer erotismo explícito. Isto é verdade até certo ponto nas fotografias de Brand, mas pode ser visto especialmente nos desenhos de Fidus e Sascha Schneider, que ilustram a força e determinação.
A idealização da amizade viril e vínculos masculinos, aceitos por muitos dos que contribuíram para Der Eigene, eram alinhados com algumas tendências do nacionalismo alemão. Por exemplo, eles compartilharam com o nazismo um ideal de renovação nacional através da promoção de masculinidade. No entanto, o compromisso de muitos deles com os princípios anarquistas distanciava-os do nazismo. Além disso, eles estavam cientes de que os nazistas rejeitaram firmemente qualquer promoção aberto de homoerotismo. Como Oosterhuis sem rodeios aponta, "A realização da união masculina e a glorificação da força masculina e beleza no nacional-socialismo foi acompanhada pela perseguição dos homossexuais".
Fonte
Transcrição do verbete Adolf Brand, por Hubert Kennedy
http://www.glbtq.com/literature/brand_a_lit.html

Männerbund (fraternidade)
Esta palavra alemã define os ritos de iniciação masculina e seus consequentes laços viris. Foi cunhada pelo etnólogo alemão Heinrich Schurtz (1863-1903) por conta de suas pesquisas científicas em terras africanas.
Na Alemanha e na Áustria, este termo denominava as ordens viris e comunidades masculinas, que surgiram como febre no final do séc. XIX até a II Guerra Mundial (1939-45). Estas não se isolavam e seus membros tinham papel de destaque (elite) no meio social em que viviam.
Segundo o filólogo francês Georges Dumézil (1898-1986), as fraternidades (alianças, ligas, irmandades) masculinas fizeram e fazem parte da cultura masculina indo-européia (indo-arianos, iranianos, armênios, helênicos, ítalo-celtas, germânico, eslavos). Geralmente elas possuem rígida hierarquia, ritos, regras e algumas apresentam identificações externas através de seus membros (vestuário, cortes de cabelo, símbolos, tatuagens...).
Desde a Antiquidade existem grupos exclusivos masculinos: sacerdotes (desnecessário elencá-los), guerreiros (tebanos, samurais...), traficantes (piratas...), místicos (dervixes...), ordens militares (templários, algumas correntes da SS nazista...), fraternidades estudantis. Como consequência natural, muitos destes grupos eram e são homossociais.


Wandervogel  (andarilhos, vagabundos, aves errantes...)
Movimento de jovens alemães (1896-1933), que se dividiu em várias correntes (muitas exclusivamente masculinas). Era de cunho nacionalista (cultura teotônica) e pregava o retorno à natureza, liberdade, auto-responsabilidade e espírito de aventura. Tinha um profundo desprezo ao mundo burguês, industrial e capitalista. Após a I Guerra Mundial (1914-18), muitos membros desiludidos deram mais ênfase à vida ao ar livre e aventureira. Em 1933, esta organização foi extinta pelo governo nazista e muitos aderiram ao III Reich (1933-45), onde os mais jovens se filiaram à Juventude Hitlerista. Pagaram muito caro por isto, dada à sua total despolitização: esta foi a grande falha na formação destes jovens idealistas. Após a II Guerra Mundial (1939-45), este movimento renasceu sem o vigor de outrora. 


Esta guerra que ceifou a vida de mais 50 milhões em todo mundo com mais de 28 milhões de mutilados, ainda provoca a descrença de incultos e ignorantes.  Foi o maior genocídio e catástrofe (humana e de meio-ambiente) já vistos em nossa História. Foram gastos 1 trilhão e 500 milhões de dólares, contra 208 bilhões de dólares gastos na 1ª Guerra. 110 milhões de homens e mulheres foram mobilizados e só 30% não sofreram danos físicos.
Fonte: http://educaterra.terra.com.br/voltaire/mundo/segunda_guerra.htm
Acesse a tabela com o número de mortos em todo mundo, inclusive do Brasil: 


Muitos estudiosos crêem que o Wandervogel foi o grande incentivador dos movimentos beatnik e hippie (da contracultura norte-americana), acontecidos nas décadas de 1950 e 1960 respectivamente.


Alguns dos fotógrafos, que corajosamente documentaram as imagens destes heroicos movimentos de um passado recente:
A. Walter - Adolf Koch - E. Meyer - E. Schneider - Freud am Körper - Friederich Wolf - Gerhard Riebicke - Hans W. Fischer - Körperbildung und Nackkultur - Richard Ungewitter.